Eles dominarão o mundo

Os cool vendors, termo criado pelo Gartner, destacam as empresas que oferecem os serviços mais inovadores no mercado de tecnologia.


Luciana Mayer

É impossível pensar no setor de tecnologiasem, simultaneamente, fazer uma associação a produtos inovadores. Criar algo inédito, encontrar outro processo ou apenas renovar algum serviço são atitudes que fazem parte da alma das empresas que pretendem liderar esse mercado. De acordo com Anizio Vianna, gerente de Inovação e Sustentabilidade do Sebrae MG, esse conceito do novo está intimamente ligado à competitividade: quanto mais inovadora for a companhia, mais competitiva ela fica. “Essas empresas estão sempre buscando oportunidades e alternativas para melhorar produtos e processos. Ou seja, estão sempre um passo à frente das outras do mercado”, enfatiza.

Vianna garante que as corporações que não inovam passam a ter uma dificuldade muito grande perante os concorrentes. “Quem para no tempo sofre muito mais com qualquer tipo de mudança”, afirma. Segundo ele, as entidades que buscam soluções inovadoras mudam de patamar rapidamente, passam a ser mais competitivas, a acessar novos mercados e a atender clientes que até então não atendiam.

Diante dessa perspectiva, o Gartner – líder mundial de pesquisa e consultoria sobre tecnologia – desenvolveu o relatório Cool Vendor Brazil 2015, publicado em abril deste ano. O diretor de pesquisa da instituição, Cláudio Neiva, argumenta que o objetivo do levantamento foi identificar as empresas que disponibilizam produtos e serviços com características únicas para uma organização. “Aplicando uma metodologia própria do Gartner, observamos como um grupo de poucas empresas brasileiras estásuportando as prioridades dos CIOs quanto aos investimentos em tecnologia, durante esta fase desafiante da economia nacional”, pondera.

As quatro companhias brasileiras que entraram para a lista do Gartner foram ContaAzul, InPulse, Intelie, Prime Systems e Sikur. Neiva explica a seleção: “Sempre buscamos empresas com ideias novas, que se destacam no mercado. Além disso, a organização precisa ter tecnologia desenvolvida em âmbito local (no caso dos produtos), oferecer serviços diferenciados (atendimento a público específico) e estar em destaque no mercado nacional”.

Anizio Vianna analisa que, mesmo com poucas corporações nacionais na lista de cool vendors do Gartner, o Brasil progrediu muito. Porém, é preciso aumentar a velocidade desse avanço: “É necessário criar estratégias que envolvam o país como um todo. Estamos no caminho certo, mas o que falta é fazer com que isso funcione de uma forma mais efetiva. No Brasil, a grande dificuldade é transformar o conhecimento que é produzido nas universidades em negócios. Faltam mecanismos e maior integração entre as instituições de ensino e as empresas, para que a gente consiga elevar nosso nível de competitividade”.

A opinião também é compartilhada por quem é referência no mercado. O diretor de marketing da SAP, Ricardo Kazuo, ressalta que o setor de tecnologia no Brasil ainda tem muito espaço para crescer. “Apesar de um cenário de retração no mercado brasileiro, as companhias têm que continuar investindo em inovações, pois é por onde elas se ambientarão e conquistarão diferenciação e maior ganho de competitividade”, conclui.

Inovação que vem de Minas

A Prime Systems, especializada no desenvolvimento de soluções de mobilidade, foi a única empresa mineira a ser reconhecida pelo Gartner como Cool Vendor Brazil 2015. O presidente Roberto Azevedo destaca que a Prime Systems atua com inovação e tecnologia de ponta desde sua fundação, há 19 anos. “Sempre priorizamos a utilização do que há de mais moderno e das tendências de mercado.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.