Não parem as máquinas!

A perspectiva de que os algoritmos dominarão o mundo nos próximos anos exigirá uma adaptação profunda de softwares e interações humanas


Ana Carolina Bicalho

Tomadas pela magia do “smart”, as pessoas têm se agarrado a telefones, televisões, geladeiras, carros e até elevadores que as conduzem sem esforço a seus objetivos. Estamos, enfim, seguindo na direção do mundo dos algoritmos, garante o Gartner.

Imagine que, em 2018, 20% de todo o conteúdo de negócio já será de autoria das máquinas? Para os especialistas e profissionais da tecnologia, não há motivos para surpresas, afinal os algoritmos já são uma prática hoje, por exemplo, no mercado de capitais, são robôs que determinam o melhor fluxo de migração de investimentos.

No mundo dos algoritmos, o desafio será lidar com milhares de informações originadas de fontes variadas da malha digital. O primeiro passo é extrair a maior quantidade possível de significados desses dados, para, então, transformá-los em estratégias nos negócios.  A tarefa não é simples e somente com a automatização avançada é possível tornar as máquinas tão inteligentes a ponto de tratarem as informações de tudo.

De acordo com o Gartner, em cinco anos, vamos evoluir para o mundo pós-app, com interfaces dinâmicas e contextuais. O fenômeno dos algoritmos, de agentes e coisas autônomas e das máquinas inteligentes é de longo prazo. A previsão é de que essa nova realidade se desenvolva e expanda seu uso nos próximos 20 anos. O futuro dos algoritmos não tem mais volta.

Confira o texto completo em Revista Inforuso, Edição 9/2016: http://revista.sucesuminas.org.br/revista/revista-inforuso-no-9/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.