Pesquisadores Brasileiros Desenvolvem Identificador de Fake News

Fake Check: entenda mais sobre o detector de fake news

 

Nos últimos anos, o excesso de informação tem sido um desafio para a sociedade. Ao ser bombardeado(a) de notícias por todos os lados, é difícil distinguir o que é real ou manipulado. 

 

Mas e se a inteligência artificial (IA) pudesse ser uma aliada no combate às informações falsas? Pesquisadores brasileiros já desenvolveram um software, detector de fake news, de alta precisão. Acompanhe a leitura para compreender melhor.

 

O que são fake news?

 

Fake news são notícias falsas, com forte poder de viralização e veiculação, como se fossem reais.

 

O grande intuito desses textos é, majoritariamente, enviesar e legitimar um ponto de vista que possa prejudicar uma pessoa ou grupo, fazendo com que o leitor consuma e espalhe o material de forma quase automática. E, apesar de ter se tornado algo frequente, disseminar fake news é crime.

 

Dados de uma pesquisa realizada pela universidade MIT, dos Estados Unidos, mostram que os usuários(as) engajam muito mais fake news do que manchetes reais. E o fato mais alarmante disso é que parte das pessoas compartilha as tais notícias, ainda que saibam da falta de compromisso com a verdade.

 

No Brasil, a polarização e o cenário político fazem com que as fake news se tornem ainda maiores e mais impactantes em ano eleitoral e com grandes figuras públicas envolvidas.

 

Isso motivou pesquisadores de universidades brasileiras a desenvolverem o “Fake Check”, o detector de fake com alta precisão.

 

O que é e como funciona o Fake Check?

 

Alunos e professores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) trabalharam no desenvolvimento de um aplicativo que ajuda a detectar fake news, por meio da inteligência artificial.

 

O objetivo do software é auxiliar para que a checagem seja feita pelo leitor de maneira autônoma, gratuita e rápida. Sendo assim, a ferramenta escaneia a notícia subjetivamente e aplica métodos estatísticos capazes de analisar características específicas da escrita, tais como palavras e classes gramaticais recorrentes.

 

O “Fake Check” conta com uma base de mais de 100 mil notícias veiculadas nos últimos cinco anos, uma vez que o classificador é capaz de distinguir o que são conteúdos verdadeiros e o que são fake news. Os modelos são treinados com base nesse imenso banco de dados que reconhece padrões na escrita.

 

Isso tudo só acontece devido ao avanço tecnológico e o poder da inteligência artificial no cenário político e social, já que o sistema analisa ainda a pontuação, a emotividade e a incerteza através do (Computational Processing of the Portuguese Language).

 

Os próprios pesquisadores relatam que, ao escrever uma notícia falsa, a pessoa deixa rastros no estilo do texto, deixando como característica das fake news a quantidade efrequência elevada de erros ortográficos.

 

A ferramenta já está disponível por meio do deste link e bot no whatsapp.

 

É importante enxergar a tecnologia como uma aliada

Seja através de um detector de fake news ou em demais situações do cotidiano, é inegável o poder transformador da tecnologia em nossa sociedade. É preciso estar sempre atento(a) para entender como essa influência pode ser utilizada de forma positiva e também como se proteger de notícias falsas.

 

Quer saber mais sobre tecnologia, inovação e segurança de dados? Confira os demais posts no blog da Sucesu Minas.

 

 

 Você ainda não é um associado(a)? Faça parte da maior comunidade de empresas e profissionais de Tecnologia e Inovação de Minas Gerais e tenha benefícios exclusivos! Saiba mais, clicando aqui!

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.