Tecnologia amplifica as vozes dos cidadãos

Ferramentas, apps e novas plataformas fazem do mundo virtual um terreno fértil para que a democracia se fortaleça e os crimes contra os direitos humanos sejam punidos.


Andrea Araújo

A tecnologia está a serviço de tudo o que permeia nossos dias. Medicina, educação, entretenimento, trabalho… É impossível imaginarmos a roda da vida girar sem que alguma inovação esteja envolvida.

Nossas relações foram diretamente impactadas e se multiplicaram. As vozes de cada cidadão foram amplificadas com a popularização das redes sociais. Ferramentas diversas, como sites, plataformas, apps, Facebook, Twitter, entre outros mecanismos tecnológicos servem para propagar ideias e ideais no mundo virtual. E, claro, reverberam em nossa realidade.

Para Marcello Bax, professor da Escola de Ciência da Informação da UFMG e doutor em Informática, Análise de Sistemas e Tratamento de Sinal, a convergência entre a informação e a tecnologia nos faz conhecer o que é real. “Fatos são expressos por dados, índices e métricas mensuráveis. Os fatos decorrentes de decisões e ações dos agentes públicos, por exemplo, precisam ser divulgados e monitorados com a máxima transparência para toda a sociedade”, explica. Segundo o professor, é preciso, além de conhecer esses fatos, ter democracia para poder agir sobre eles e, assim, fazer-se política.

O setor público tem se beneficiado com os sistemas de participação on-line, que permitem ao usuário da internet opinar e ter conhecimento do que se passa em muitas instâncias governamentais, fortalecendo a democracia e ampliando a transparência nos assuntos de interesse da população. Também é possível encontrar na web, hoje, dezenas de mecanismos que facilitam o esclarecimento, a denúncia, a colaboração e a mobilização no mundo virtual.

Rede de conscientização e denúncia

Ao amplificar as vozes na internet, foi possível escutar o som de crimes que violam os direitos humanos. Racismo, xenofobia, homofobia e pedofilia rodam as mídias sociais e os sites especializados em violência, multiplicando-se todos os dias. Como reação a esse tipo de conduta, governos e ONGs criaram canais de denúncia e informação para os que são atingidos negativamente pelas mídias sociais.

Participação popular

Os sites de prefeituras e governos disponibilizam para o contribuinte serviços on-line diversos, como retirar nota fiscal eletrônica e pagar tributos. Mas, para além da participação de mão única, a web é o espaço, hoje, para que o cidadão possa intervir, participar diretamente e até contribuir para as leis.

Um bom exemplo é o portal da Câmara dos Deputados, o e-Democracia. A proposta é que, por meio da internet, a sociedade participe do debate de temas importantes para o país e, por meio de diferentes instrumentos de participação, possa dar sua contribuição para a elaboração de projetos de lei.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.