Um Belo Horizonte tecnológico se aproxima

Centro da capital mineira está prestes a se tornar um reduto da economia criativa


Especial Minas

Silas Scalioni

Um projeto, com previsão de ser viabilizado ainda no segundo semestre, promete mudar radicalmente o hipercentro da capital, por onde circulam mais de 1,5 milhão de pessoas diariamente. A ideia, em mãos do Conselho de Desenvolvimento Econômico (Codecom), órgão da Secretaria Municipal de Desenvolvimento, partiu de um estudo urbanístico da região para induzir a ocupação de seus espaços por empresas da chamada economia criativa – iniciativas com negócios desenvolvidos a cerca do conhecimento, da criatividade ou do capital intelectual. E, nesse aspecto, a tecnologia é um dos mais fortes vetores desse modelo de economia.

A área a ser revitalizada e transformada se estenderia pela Avenida Amazonas, desde a Praça Sete até a Rua dos Caetés, dirigindo-se, então, ao entorno da Praça da Estação. Também seria incluída a Rua Sapucaí, que já agrega restaurantes, companhias ligadas à criatividade e galpões que poderiam abrigar novos negócios, além de propiciar uma bela vista da cidade. “Trata-se de um empreendimento que pode realmente captar um grande número de empresas do setor criativo, desde que haja condições propícias para isso”, garante Eduardo Bernis, secretário Municipal de Desenvolvimento.

Bernis conta que já existe um projeto em andamento na capital, o P7 Criativo, no antigo prédio do Bemge, na Praça Sete de Setembro, que pode vir a ser um dos maiores polos verticais de economia criativa do país. Ainda sem data de inauguração, o empreendimento pretende reunir empresas responsáveis pelo que há de mais inovador no estado, devendo contar com espaços de coworking, laboratórios, startups e negócios já consolidados ligados à tecnologia e aos demais segmentos da economia criativa.

O Centro da capital, de acordo com o secretário, tem potencial para se transformar em um empreendimento semelhante a San Pedro Valley, ao incentivar o surgimento e a consolidação de novas empresas de base tecnológica, ao mesmo tempo em que revitalizará uma área de grande importância para a capital.

A matéria final do Especial Minas Gerais, você confere na Revista Inforuso: http://revista.sucesuminas.org.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.